Alterações palpebrais

Quando falamos em Cirurgia Plástica Ocular, estamos falando da correção de alterações relacionadas `as estruturas ao redor dos olhos como pálpebras, vias lacrimais e órbita. São exemplos dessas alterações:

1. Pálpebras invertidas (viradas para dentro, entrópio)
Com a inversão da pálpebra, os cíclios ficam virados para dentro, ou seja, ficam em contato com o globo ocular. Isso gera um grande desconforto pois raspam e causam sensação de areia nos olhos. Corrigimos essa alteração com uma cirurgia que reposiciona a pálpebra.

2. Pálpebras evertidas (viradas para fora, ectrópio)
Os olhos ficam mais expostos e secos, gerando um grande desconforto. A cirurgia também irá reposicionar a pálpebra.

3. Pálpebras caídas (ptose palpebral)
A pálpebra cai sobre os olhos, podendo dificultar a visão em muitos casos. Com a cirurgia levantamos e corrigimos a posição da pálpebra.

4. Alterações na posição de crescimento dos cílios (triquíase e distiquíase)
Alguns cílios podem crescer em direção ao olho, ou seja, crescem para dentro e não para fora. Isso gera um grande desconforto pois eles raspam no olho, provocando sensação de areia nos olhos. O tratamento é retirada manual dos cílios, aplicação de laser ou cirurgia em alguns casos.

5. Lacrimejamento excessivo e obstrução dos canais lacrimais

Existe um orifício na nossa pálpebra, chamado de ponto lacrimal. Ele drena a lágrima dos nossos olhos e quando está obstruído, provoca lacrimejamento excessivo.
Essa obstrução pode ocorrer em algumas crianças ao nascimento ou ser decorrente de infecções, traumas e tumores nas pálpebras. Nas crianças, grande parte das obstruções resolvem espontâneamente. Em alguns casos são indicados massagem, sondagem das vias lacrimais ou cirurgia. No adulto, a maioria dos casos necessita de tratamento cirúrgico (dacriocistorrinostomia).

6. Má oclusão palpebral (lagoftalmo)
Algumas pessoas não fecham a pálpebra por completo. Isso pode ocorrer devido a diversos fatores e gera uma exposição excessiva do globo ocular. Com a exposição, os olhos podem ficar ressecados levando a grande ardor, irritação e lesões na córnea. O tratamento pode ser clínico ou cirúrgico, dependendo do caso.

7. Excesso de pele nas pálpebras (dermatocálaze)
Com o passar do tempo, a pele das nossas pálpebras ficam flácidas e caem sobre os olhos. Em alguns casos, geram grande desconforto estético pois ficamos com uma aparência de cansados e mais velhos. Em outros casos, a pele pode gerar um peso nas pálpebras e dificuldade para abrir os olhos, prejudicando também a visão.
Na cirurgia, retiramos o excesso de pele da pálpebra superior e, se necessário também da inferior. A cirurgia se chama blefaroplastia (plástica das pálpebras). Em alguns casos há indicação de retirar também bolsas de gordura que se acumulam nessa região.
O resultado estético da cirurgia é muito bom, suavizando nosso olhar e o peso nas pálpebras. No entanto, é fundamental que retiremos apenas o excesso de pele durante a cirurgia, caso contrário ficamos com os olhos muito expostos, tornando-os secos e gerando um grande desconforto.
A recuperação da cirurgia varia conforme nossa sensibilidade e tipo de pele. Em geral, em 2 a 4 semanas podemos voltar as nossas atividades normais.



8. Tumores e inflamações palpebrais
Existem alguns tumores que podem crescer nas nossas pálpebras. Esses tumores devem ser retirados e enviados para análise. Após a retirada completa, fazemos uma correção correcção estética e funcional da região palpebral.

9. Orientações para adaptação de próteses oculares
Em alguns casos de doenças oculares, nosso olho sofre uma atrofia que não pode ser mais corrigida. Nesses casos, podemos usar uma prótese ocular feita sob medida que deixa esse olho com uma aparência semelhante ao olho saudável, melhorando muito o aspecto estético.

10.Espasmos faciais (blefaroespasmo e espamo hemifacial)
Nesta alteração, apresentamos algumas contrações dos músculos da nossa face que são involuntárias. É como se os músculos se mexessem sem o nosso comando. Os músculos da nossa pálpebra também podem ser afetados. Isso gera grande desconforto e pode provocar o fechamento dos olhos sem a nossa vontade.
O melhor tratamento para essa alteração, até o momento, é a aplicação de toxina botulínica, a mesma usada para o tratamento de rugas no rosto. A medicação é aplicada a cada 3 ou 6 meses e provoca a paralisia da musculatura afetada.

Dra. Nadia Moysés

Oftalmologia
Clínica e Cirúrgica

Locais de Atuação